História

Na década de 1960, os Festivais da Canção, a princípio programas de televisão nos primórdios da indústria cultural, se transformaram num marco cultural, espaço de manifestação de vanguardas musicais, consolidando a música como veículo de transmissão de ideias no período da ditadura militar. Competitivos, exigindo canções inéditas, seu formato se espalhou criando um circuito de festivais universitários e festivais em diversas cidades do país.

Com um formato diverso, mas também deixando marcas profundas, os Festivais de Rock se agigantam no final dos anos 1960 ao redor do mundo. Woodstock, Monterrey, Ilha de Wight são alguns exemplos desses grandes eventos que reuniam milhares de pessoas, impulsionaram a carreira de inúmeras bandas de rock e mexeram com os costumes e os valores da sociedade.

No Gracinha, os festivais também se fizeram presentes. Organizados pelo Grêmio, reuniam bandas formadas por estudantes da escola e seus amigos, e eram realizados na quadra, ocupando a tarde e o começo da noite de um sábado no segundo semestre. Os estudantes músicos, os amigos e amigas, reuniam-se para tocar e ouvir. Não havia competição, mas muita animação. Em um ano, o grupo Pedro Luís e a Parede, então iniciando sua trajetória, foi contratado para participar do Festival do Gracinha, bancado por recursos do Grêmio. Com o passar do tempo, o crescimento dos protestos da vizinhança levou a realização do festival para fora da escola, e esse fato contribuiu para um lento mas progressivo esvaziamento.

Em 2017, a OPG (Organização dos Pais do Gracinha) trouxe a ideia de retomarmos essa tradição, com a novidade de abrirmos o microfone não somente aos alunos, mas para toda a comunidade escolar. O Grêmio, convidado a participar, abraçou a ideia, e a direção da escola também deu seu apoio. Agora, bandas com familiares, estudantes, funcionários animarão um evento que terá como principal objetivo reforçar os vínculos e ampliar a convivência da nossa comunidade através da música.

No dia 2 de dezembro retomaremos a trilha dos Festivais do Gracinha. Convidamos todos a participarem no palco ou na pista. Venham e tragam os seus!

Regulamento

Grafest – Festival Politonal.


1. O Festival será realizado no dia 2 de dezembro de 2017.

2. Serão aceitas as inscrições de até 10 bandas, com apresentações de 12 minutos e 10 minutos destinados para a troca das bandas.

3. Caso tenhamos mais de 10 bandas inscritas adotaremos os seguintes critérios interligados:

        I – Composição será dada preferência:
             1º alunos
             2º família nuclear (min. 2 bandas)
             3º funcionários (mín. 1 banda)
             4º ex-alunos

        II – bandas que tenham composição mista (com membros de diferentes categorias da comunidade escolar)

        III – Quantidade de membros pertencentes à comunidade escolar.

        IV – Poderão se inscrever bandas compostas por alunos a partir do 8º ano. Alunos de outras séries (1º ano a 7º ano) precisam ter em seu grupo/banda um adulto ou aluno a partir do 8º ano.

        V – Em caso de empate a escolha se dará por sorteio.

4. O prazo final de inscrição é o dia 25 de outubro.

5. Os inscritos serão anunciados até o dia 1 de novembro.

6. No dia da apresentação todas as bandas deverão chegar à escola às 14h30

Cadastre a sua Banda!

Será muito legal ver você, seus colegas, professores e família fazendo um som! PARTICIPE!!

Integrantes

Composição da banda


Baterista:
Guitarrista:
Baixista:
Tecladista:
Outros:
Vocalista:

Organização



Apoio